skip to Main Content
Entre em contato: +55 11 98632 4142
Como A Escola Pode Aproveitar As Novas Tecnologias?

Como a escola pode aproveitar as novas tecnologias?

Redes sociais, tablets, lousas digitais, conteúdo interativo e 70% dos jovens brasileiros entre 15 e 19 anos mergulhados na internet. As possibilidades da tecnologia reforçam a ideia de que o modelo de Educação praticado hoje está defasado. As escolas que existem não são as escolas de que precisamos. O congresso InovaEduca 3.0 trouxe especialistas a São Paulo para discutir como as escolas podem se preparar para a realidade digital.

Não existe um caminho pronto para a introdução da tecnologia nas salas de aula. O professor da Universidade de Nova York Jim Lengel afirmou que é preciso reinventar a Educação e deu indicações de como seria esse novo modelo. Para ele, as escolas historicamente sempre formaram o cidadão necessário àquela sociedade e acompanharam as mudanças do mercado de trabalho.

Educação e mercado de trabalho
A Revolução Industrial do século 19 transformou o trabalho: grandes grupos trabalhando individualmente, num ambiente fechado, sem conversar entre si, fazendo um conjunto restrito de tarefas, atrás das mesas, com uma supervisão próxima. Leia novamente esta descrição. Soa familiar? Exatamente: as escolas se adaptaram à esse modelo, pois assim foi exigido pela nova sociedade. Era a sociedade 2.0 que, formada a partir da Revolução Industrial, substituiu a sociedade rural cujas escolas preparavam artesãos e lavradores para um ambiente econômico e social estável.

E hoje? “O mercado de trabalho não pergunta mais “o que você sabe?”, mas “o que você pode realizar?”, apontou John Moravec, especialista em inovações educacionais da Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos. Por videoconferência, ele comentou a necessidade desta transformação: “industrializamos o sistema educativo, criando cérebros empacotados”.

Jim Lengel descreveu a dinâmica nas novas empresas: pequenos grupos se reúnem para a solução de problemas inéditos, utilizando diferentes disciplinas, coletando informação de diversas fontes e em diferentes formatos, utilizando ferramentas digitais sem supervisão constante e conectados com o mundo. “A escola já mudou para acompanhar essa transformação?”, provocou.

Reivenção da escola
Não é apenas o mercado que pede mudanças. 40% dos jovens entre 15 e 17 anos que deixaram de estudar o fizeram por considerar a escola desinteressante. O estudo “Motivos da Evasão Escolar”, realizado pela FGV – RJ EM 2009, mostrou também que a necessidade de trabalhar é o segundo motivo pelo qual jovens deixam de estudar. O triste paradoxo é que continuar estudando garante salários melhores. O PNAD de 2007 calculou que a conclusão do Ensino Médio aumenta o salário em 34,39%. “A sala de aula, por sua inércia, pertence muito mais ao mundo da depressão do que o da diversão. Não conseguimos mais produzir encantamento, curiosidade, surpresa”, instiga Luciano Meira, pedagogo e professor da UFPE.

Leia aqui a matéria original

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *